AÇÚCAR & ETANOL

Cupom 20% OFF em Cursos: CURSO2O • Cupom 10% OFF em Relatórios: 10JUNHO

CUPONS:
20% OFF em Cursos: CURSO2O
10% OFF em Relatórios: 10JUNHO

Resumo Semanal de Commodities – 10/05 a 17/05

image 94881
Fonte: StoneX cmdtyView.
Asset 1  CÂMBIO
Dólar enfraquece após indicadores mais brandos que o esperado
A semana foi marcada pela divulgação de dados mais brandos para os Estados Unidos, recuperando levemente as apostas para cortes de juros pelo Federal Reserve, bem como pela mudança inesperada no comando da Petrobras, que ampliou a percepção de riscos para ativos brasileiros e limitou os ganhos do real. O dólar negociado no mercado interbancário terminou a semana em queda, encerrando a sessão desta sexta-feira (17) cotado a R$ 5,103, recuo semanal de 1,1%, mensal de 1,7% e ganho anual de 5,2%. Já o dollar index fechou o pregão desta sexta cotado a 104,4 pontos, variação de -0,8% na semana, -1,6% no mês e +3,1% no ano.> Clique aqui e acesse o relatório completo.
cAsset 2  SOJA
Clima fornece suporte aos contratos de soja em Chicago
As cotações da soja apresentaram pouca variação nos primeiros quatro pregões da semana passada, mas a alta expressiva na sexta-feira (dia 17), condicionou o fechamento positivo, com o vencimento para julho terminando em 1228 cents por bushel, ganhos de 0,7% no período. Por outro lado, os contratos da safra nova encerram a semana em leve baixa. Essa alta dos contratos mais próximos no último pregão da semana foi condicionada por preocupações renovadas com a safra brasileira, com previsões de chuvas no Rio Grande do Sul. Ademais, o ritmo do plantio nos EUA continua no radar, com ocorrência de precipitações resultando em atrasos no campo. > Clique aqui e acesse o relatório completo
cAsset 1  MILHO
Milho atua em forte baixa em Chicago
Na semana passada (13/05-17/05), os futuros do milho negociados na bolsa de Chicago atuaram em baixa, interrompendo uma sequência de três semanas consecutivas de ganhos. O contrato com vencimento em julho encerrou o período cotado a 452,50 cents/bu, desvalorização semanal de 3,7%. A desvalorização do trigo, vendas de exportação fracas e expectativa de avanço do plantio nos EUA foram os fatores que mais pesaram sobre o mercado. Na B3, o contrato com vencimento em julho encerrou o período cotado a R$ 58,60/sc, desvalorização semanal de 0,6%, seguindo Chicago. > Clique aqui e acesse o relatório completo
Asset 11  ÓLEOS VEGETAIS
Óleos vegetais avançam na semana
Os óleos vegetais registraram valorização na última semana em suas principais bolsas de negociação. O óleo de soja encontrou suporte nos dados de esmagamento de soja dos Estados Unidos em abril, que vieram aquém do esperado, indicando uma menor entrada de óleo no mercado americano. O movimento altista da soja, com as preocupações com os ajustes para baixo no rendimento das safras de soja na América do Sul, também deu força ao óleo. O contrato de julho/24 do óleo de soja terminou o período cotado a US¢ 45,3/lb, valorização semanal de 1,9%.

Já o óleo de palma, além de influenciado pelos ganhos observados na bolsa de Chicago, terminou a semana com ganhos em meio à confirmação de dados mais fortes das importações da Índia em abril, apesar de as dúvidas quanto à recuperação da demanda permanecerem no mercado. A tela equivalente terminou a semana cotada a USD 831,2/t na Bursa, avanço de 3,4% na semana. > Clique aqui e acesse o relatório completo

Asset 9  FERTILIZANTES
Fundamentos equilibrados no setor de potássicos mantém preços estáveis no Brasil
Nas últimas semanas, a principal característica do mercado de nitrogenados tem sido a fraqueza dos fundamentos. Porém, nos últimos dias, aquisições de ureia no Egito movimentaram o mercado, e isso elevou os preços em outros países. No Brasil, isso representou um aumento de US$ 5/tonelada para a ureia. No segmento de fosfatados, investidores aguardam o momento em que os compradores da Índia retornarão às compras, mas, enquanto isso, os preços no Brasil mantiveram a estabilidade. No mercado de potássicos, o balanço entre a oferta e a demanda está equilibrado, e, no Brasil, não houve variação para as cotações CFR. Nessa época do ano, geralmente, há poucos compradores ativos no mercado, e isso tende a representar fundamentos fracos no segmento de fertilizantes.  > Clique aqui e acesse o relatório completo
Asset 12  PECUÁRIA
Aumento da oferta de animais terminados à pasto desfavorece teses altistas
No mercado do boi gordo, os fatores baixistas ganharam força ao longo do mês de maio. A oferta de animais terminados à pasto aumentou recentemente, e isso tem desfavorecido as teses de alta no segmento. Dessa forma, com o crescimento da oferta, frigoríficos alongaram as suas escalas, e, ao mesmo tempo, os preços têm mostrado sinais de fraqueza no mercado físico. Em Araçatuba, praça de São Paulo, as cotações do animal comum são negociadas por R$ 224/@, e, numa comparação semanal, os preços diminuíram. Os preços da carcaça casada, além disso, também diminuíram ao longo dos últimos dias.  > Clique aqui e acesse o relatório completo
Asset 13  AÇÚCAR E ETANOL
Açúcar registra queda na última semana, influenciado por expectativas de superávit de oferta
Considerando o contrato mais ativo em bolsa (SBN4), a última semana ficou marcada por uma desvalorização expressiva para o açúcar bruto, passando de US¢ 19,3/lb em 10/05 para US¢ 18,19/lb (-6,1%) em 17/05 – com movimentação semelhante para o branco #5 em Londres. Influenciando o mercado, é importante destacar o fundamento de oferta abundante vindo do Centro-Sul brasileiro. A região bateu seu recorde produtivo em 2023/24 (abr-mar) o que tem levado o Brasil a trazer volumes recorde de açúcar ao mercado internacional. Intensificando a queda, nesta última semana a UNICA divulgou os dados para a safra 2024/25 durante a segunda metade de abril/24, indicando uma produção elevada, favorecida pelo mês de abril mais seco – o que favorece as atividades de colheita.
Venda de etanol hidratado segue aquecida no mercado doméstico 
Nesta última semana, entre os dias 13 e 17 de maio, os preços do etanol hidratado negociado no mercado físico do estado de São Paulo registraram queda, passando de R$ 2,80/L, preço que vem sendo observado desde o início de maio, até indicações por volta de R$ 2,73/L, respondendo aos fundamentos de ampliação da oferta com a colheita da safra 2024/25 do Centro-Sul. Dessa forma, mesmo com os indicadores recordes de demanda, a influência da safra deve limitar escaladas mais sustentadas de preços no curto prazo, sendo que a StoneX estima em sua projeção de preços uma nova escalada dos preços a partir dos meses de agosto/24 e setembro/24. Para acessar o relatório clique aqui.  > Clique aqui e acesse o relatório completo
Asset 7  CAFÉ
Preços futuros de café terminaram a semana em alta
Consideração a volatilidade observada nas semanas anteriores, os preços na última semana podem ser considerados relativamente estáveis, enquanto houve a predominância de fatores técnicos e dos agentes especulativos, com um cenário praticamente inalterado no campo dos fundamentos. Em Nova Iorque, o contrato mais ativo terminou a semana com ganhos de 3%, fechando a sexta-feira (17) cotado em US₵ 206,6/lb. Em Londres, os preços seguiram uma tendência similar, fechando a semana com alta de 2% para USD 3518/ton.

No mercado doméstico brasileiro, os preços seguiram as movimentações observadas no exterior e terminaram a semana com ganhos. O Indicador Cepea para o café arábica apresentou um avanço de 3% na semana, fechando a sexta-feira (17) cotado em R$ 1.155,64/saca. Para o café robusta, o indicador apontou para um incremento um pouco maior de 4%, para R$ 977,21/saca. Nesse período, o dólar apresentou uma queda de 1% para USDBRL 5,10.  > Clique aqui e acesse o relatório completo

Asset 5  CACAU
Cacau recua 23,1% na última semana em meio a liquidações em bolsa
A última semana foi mais uma de elevada volatilidade para o preço do cacau nos mercados futuros, com os contratos referentes a julho (tela mais ativa em bolsa) encerrando a semana em queda de 17,4% na bolsa de Nova Iorque e 19,1% na bolsa de Londres, cotados respectivamente a 7.348USD/ton e 6.121 GBP/ton. Destaca-se o pregão da última segunda-feira (13), que registrou maior retração diária em 60 anos, encerrando a 7.166 USD/ton, contra uma abertura de 8.797 USD/ton (queda de 19,4%).
Mesmo ainda sem fundamentos claros para justificar a forte redução dos preços, a variação negativa da semana segue a tendência de queda que vem sendo observada desde meados de abril para os contratos futuros do produto. O fechamento da semana passada consolida uma queda de 37,4% em relação ao maior preço observado para a tela de julho, ocorrido dia 19 de abril, quando o cacau negociado em Nova Iorque atingia 11.722 USD/ton. > Clique aqui e acesse o relatório completo
Asset 6  ALGODÃO
Pluma recua em Nova Iorque
O algodão encerrou o último dia 17/05 negociado a US¢US¢75,89/lb, o que representa um recuo de 1,8% no comparativo semanal. O mercado vem repercutindo a um regime climático nos EUA que vem favorecendo as regiões produtoras de algodão com volumes de precipitação, gerando algum otimismo com a produtividade norte-americana da safra que vem sendo plantada agora. Além disso, uma expansão da posição liquidamente vendida dos fundos especulativos também pode ter pressionado as cotações. > Clique aqui e acesse o relatório completo
Asset 8  PETRÓLEO
Petróleo registra alta semanal após três semanas
Na última semana, as cotações de futuros do contrato mais ativo do Brent acumularam alta de 1,44%, negociadas a USD 83,98 bbl na última sexta-feira (17), enquanto o WTI registrou um avanço semanal de 2,3%, negociado em USD 80,06 bbl. Os contratos reverteram as quedas registradas no início da semana – as quais chegaram a levar os futuros do Brent para o menor nível desde março. Essa recuperação foi apoiada por perspectivas mais positivas sobre o início do corte de juros do Fed após a divulgação do CPI de abril nos Estados Unidos, além da melhora de dados econômicos na China em abril, especialmente com o anúncio de pacotes de estímulos para o setor imobiliário no país. Assim, os fatores altistas no período contribuíram para a primeira alta semanal do petróleo em três semanas.  > Clique aqui e acesse o relatório completo
cAsset 3  DIESEL
Preços do combustível operam em patamares estáveis 
Na semana passada, o contrato mais ativo do NY Harbor ULSD encerrou o período com uma queda de 0,4%, terminando a sexta-feira (10) em USD 2,4344 por galão. Os preços do derivado mantiveram uma certa estabilidade, com a ampliação dos estoques nos EUA e na Europa sendo o principal fator de pressão às cotações do combustível. Diante do leve crescimento do petróleo, a margem de refino para o diesel caiu em cerca de 2,2%, com o diferencial entre o NY Harbor ULSD e o WTI alcançando USD 23,98 bbl. > Clique aqui e acesse o relatório completo
cAsset 3  GASOLINA
Combustível volta a registrar alta na semana em meio a queda dos estoques nos EUA  
Na última semana, o contrato mais ativo do RBOB acumulou alta de 2,5%, cotado a USD 2,5742 por galão na última sexta-feira (17). A gasolina reverteu a tendência de baixa da semana anterior, apoiada pela deterioração dos estoques de gasolina nos Estados Unidos, e pelas perspectivas de desaceleração da inflação no país após a divulgação do CPI em abril –o que deve influenciar a política monetária do Fed nos próximos meses. > Clique aqui e acesse o relatório completo

Este artigo é um exemplo dos conteúdos disponíveis para assinantes no Portal de Relatórios.

Conheça as assinaturas!

Conheça as assinaturas

A cobertura mais completa do Brasil em Inteligência de Mercado para commodities + plataforma exclusiva!

Inteligência de Mercado da StoneX oferece assinaturas de relatórios periódicos para acompanhamento dos mercados de commodities agrícolas e energéticas no Brasil e no mundo.